segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Loucos de Preda nova era HD

Depois de tanto tentar retratar nossas aventuras de forma decente, estamos evoluíndo! Se é que isso pode chamar de evolução.

Foram inúmeras tentativas utilizando os mais diversos tipos de dispositivos de captura: celulares, câmeras de mão, câmeras fotográficas, digitais, analógicas e até mesmo descartáveis.

Agora a nova era chegou. O que será possível com o novo brinquedo dos Loucos de Preda...???

Para testar, nada melhor do que capturar imagens de ilustres amigos se divertindo no quintal de casa.

Fazia tempo que esperávamos a visita especial de nosso amigo Alexandre Fei em nossa terra querida, após muito tempo prometendo a visita Alexandre veio e não deixou de lado a idéia de escalar a morte umas das vias mais incríveis da Barrinha - Filé com certeza.

Queremos Parabenizar todos os amigos e tornaram possível a nova aquisição dos loucos de preda, e esperamos assim conseguir novas imagens e novas perspectivas sobre o trabalho com videos de escalada em nosso País.

Lembrando que o maior foco do nosso grupo é estimular e direcionar o público para a escalada em rocha... A ESCALADA LIBERTA...

BONS VENTOS E BOAS ESCALADAS A TODOS....




Realização Loucos de Preda

Apoio Edelweiss








sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Totem do Pão de Açucar - Um Passo do Espaço

Era quinta feira quando resolvemos escalar o Totem do Pão de Açúcar. Nos encontramos tarde, umas 10h, e as 11h começamos a escalar a primeira das 7 enfiadas que nos aguardavam.

A sequência seria a clássica: "Sicoete" ("Sika em frente" com "Cacoete"); "Limiar das Lacas"; "Lacas também Amam"; "Revolta dos Gravatas"; "Um Passo do Espaço".

Normalmente essas 5 vias são feitas em 7 enfiadas, mas decidimos subir sem mochilas e emendar as 4 primeiras fazendo em 2 e com isso ganhamos bastante tempo. Daniel "Fen" começou guiando e emendando o "Sicoete" no "Limiar das Lacas" e em alguns minutos já passava direto guiando as duas próximas. Ainda não havia escalado no Totem sem mochila e dessa vez senti uma leveza indescritível. Leve e ágil as 12:30h já estávamos começando o "Revolta dos Gratavas".

Adriana Moura participando na via "Lacas também Amam"

Ao final dessa enfiada a motivação estava a mil e faltavam apenas duas enfiadas para o cume. Achei que fosse pegar o Daniel de surpresa quando anunciei que faria o rapel em pêndulo para entrar nas 2 enfiadas do "Um passo para o Espaço" que fica abaixo a esquerda, mas ele disse que sabia que isso iria acontecer. Comentamos um pouco sobre o que sabíamos da via e logo estávamos os dois preparados para começar a aventura. Assim que anunciei - "vamos lá, escalando!" - a agarra que estava segurando quebrou e cai no primeiro movimento. Rimos um pouco enquanto escalava os primeiros lances e logo me deparei com muitas...muitas agarras nesse estado, ai os risos deram lugar a seriedade.

Arno no final da via "Revolta dos Gravatas"

A primeira enfiada dessa via é muito diferente de tudo que já escalei, toda e qualquer agarra quebra, todas, com raras excessões. Com muito cuidado, desgastado mentalmente e adrenado cheguei na base da segunda enfiada. Acho que demorei 1h pra guiar essa enfiada e o Daniel uns 40 minutos participando. Descansamos uns minutos curtindo o sol e por volta das 16h comecei a aresta que caracteriza a segunda enfiada.

Alexandre Portela e Luis Cláudio "Pita" na aresta da via "Um passo do Espaço"

Em poucos minutos fizemos o cume. Foi uma escalada em condições bem diferentes, tanto pelo fato de subir sem mochilas (sem água, comida e agasalho) quanto pelo jejum nada aconselhado que fomos obrigados a passar nas horas que estivemos na parede, o que nos enfraqueceu bastante no final.

Como não estava totalmente nos planos fazer o cume, depois de descer de bondinho tivemos que refazer a trilha para buscar nossas mochilas que ficaram na base e terminamos as atividades quase à noite.


Por Bernardo Biê

Fotos: altamontanha.com
Bernardo Biê
Marcus Babu

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Kurt Albert - *1954/2010+ - Monstro de Preda


Kurt Albert, escalador alemão de 56 anos, toda uma vida dedicada a escalada, ficou conhecido por suas atividades pioneiras no desenvolvimento da área de escalada em Frankenjura, Alemanhã. Então percorreu o mundo, tendo escalado diversas montanhas desde Patagónia, Karakorum, Yosemite até à Venezuela. Parceiro de cordada do também alemão Wolfgang Güllich, solista assíduo, escalador comprometido.

Kurt Albert solando a via "Devil's Crack"

Albert teve grande influência para o esporte. Foi ele quem definiu o termo "redpoint" em 1975, que indica quando uma via de escalada é feita sem quedas e sem usar pontos artificiais de apoio fixos (grampos, cordas, e todo tipo de equipamento usado para se puxar), que foi caracterizado por ele pintando pontos vermelhos na base das vias que eram escaladas em livre, daí o nome "redpoint" ("ponto vermelho").

Kurt Albert solando

Ainda não há informações claras sobre o que teria ocorrido no último domingo, quando o escalador subia pela via ferrata "Höhenglücksteig", na Bavaria, Alemanhã, até tomar uma queda de aproximadamente 18 metros. Albert foi socorrido no local e levado de helicóptero ao hospital onde encontrava-se em estado grave até a recente notícia de seu falecimento.





Kurt Albert sempre continuará a inspirar e motivar aqueles que, como ele, acreditam na escalada como estilo de vida, como forma de união, como aprendizado ilimitado. Será lembrado por suas ações no mundo vertical e por toda energia disposta no desenvolvimento dessa atividade.

Os escaladores alemães Wolfgang Güllich e Kurt Albert

Fica nosso agradecimento por toda contribuição, não só como atleta, conquistador, montanhista mas principalmente como pessoa.

Fonte: 8a.nu, planetmountain
Fotos: wikipedia, klettern
Vídeo: youtube

Por Loucos de Preda

sábado, 25 de setembro de 2010

Place of Happiness - Pedra Riscada

No último mês a via Place of Happiness, na Pedra Riscada-MG, teve sua primeira repetição depois de quase 1 ano desde que foi conquistada. Os escaladores Daniel Araújo, Sílvio Neto, Flávio Daflon, Fábio Muniz e o suiço Martino Singenberger formaram a equipe que realizaram a ascensão dos 850 metros de via. A Companhia da Escalada divulgou o vídeo que mostra um pouco como foi a investida, além de relatos detalhados feitos pelo escalador Silvio Neto.

Repetição da via Place of Happiness from Companhia da Escalada on Vimeo.



Fonte: www.companhiadaescalada.com.br

Por Bernardo Biê

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Diário de um escalador #2


Primeiro evento em Cocalzinho, paraíso dos boulders no Brasil. Muita gente de todos os lugares do país interagindo amigavelmente. Todos muito motivados para escalar os diversos blocos compostos pelo tipo de rocha conhecido como quartzito. Pedrinha para todos os gostos e estilos. Apesar de dispor de pouco tempo a organização foi nota 10, conseguindo unir todos que participaram do evento em um único lugar onde ocorreu muito intercâmbio de experiências e muitas amizades foram consolidadas, além, é claro, de muita diversão.

Foram 5 dias destinados a escalar os intermináveis blocos de pedras conhecidos como boulder, onde o objetivo do escalador é alcançar o topo pelas agarras mais difíceis possível. Muitos escaladores fortes nessa modalidade estiveram presentes, com isso muitas linhas difíceis foram repetidas e novas estabilizadas.

Além do evento, descobri lugares e pessoas que auxiliaram muito a consolidar uma visão mais abrangente sobre a relação que temos, e devemos ter, de nós mesmos e de nossas ações para com o planeta. E como somos desatentos e conformados com aquilo que nos é apresentado pela sociedade atual sem sequer questionar ou se importar se está de acordo com a sustentabilidade e harmonia que o mundo precisa. As vezes damos muita importância aquilo que nos é apresentado como uma solução sem nem ao menos indagar, mas não damos tanta atenção ao quanto a simplicidade pode resolver as coisas aparentemente mais complexas. Em uma breve visita ao IPEC (Instituto de Permacultura e Ecovilas do Cerrado) pude perceber o quanto é importante utilizarmos a inteligência e a criatividade em prol não só da nossa saúde, mas principalmente a do planeta, sem que isso impeça de termos conforto. São tantas coisas básicas e simples que impressionam qualquer um. A natureza por si só já nos oferece tudo que precisamos, sem que seja necessário destruir, degradar, explorar, poluir etc.

Na companhia de meus amigos, ainda visitamos lugares incríveis como o Buraco das Araras e Terra Ronca, ambos localizados em Goiás. Lugares realmente especiais que serve de abrigo para pessoas e seres igualmente especiais, onde mais uma vez a simplicidade demonstrou estar diretamente ligada à felicidade.

No Buraco das Araras pude provar o projeto que está sendo aberto pelo escalador Pedro Raphael (vulgo Mad Max do Cerrado). Uma super linha de mais de 40 metros que atravessa um negativão quase teto por uma movimentação linda, mas ainda não está terminada porque não há quem ajude frequentemente na conclusão da abertura. Uma pena!

Em Terra Ronca foi muito difícil de chegar, no total são 400km de Brasília sendo que uns 50km de estrada de terra ruim. Então ficou claro que só vai quem quer muito ir. O lugar é realmente muito legal, apesar de ser um pouco remoto. A principal atração são duas enormes cavernas compostas de rocha calcária e um rio que passa dentro delas. O parque é protegido e quase todo tipo de atividade é proibido, mas ainda sim vemos muitos vestígios de pessoas não tão conscientes que deixam lixo por toda parte.

Ainda minutos antes de voltar ao Rio, recebemos uma ligação do escalador Gabriel Ávila de Brasília com a notícia de que tinha conseguido concluir a terceira ascensão da via "Central do Brasil" cotada em 8b+ (fr) ou 10c (br). Localizada no Morro do Belchior, Estado de Goiás, a via teve primeira ascensão e primeira repetição respectivamente pelos Brasiliense Pedro Raphael e Rafael Passos, tendo sido projeto cotado em possível 8c (fr) ou 11a (br) e que agora, com mais essa ascensão passa a confirmar a cotação atual.

Como não levamos nenhuma máquina fotográfica nem algo do tipo, fico devendo imagens dessa trip. Com a certeza de que está tudo devidamente registrado em uma plataforma muito mais avançada e sutil, fico com as melhores impressões de tudo e todos que pelo caminho cruzei.

Parabéns aos organizadores e patrocinadores do Encontro Rockocal 2010. E parabéns ao escalador Gabriel Ávila por mais essa conquista!

Abraço a todos e boas escaladas, sempre!


Por Bernardo Biê

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Dedo de Deus - PNSO, RJ

Nesse domingo visitamos a incrível Serra dos Orgãos com o intuito de escalar o Dedo de Deus pela via Diedro Salomith.

Mari na trilha de acesso ao Dedo de Deus, PNSO RJ

Saímos tarde e começamos a via num ritmo bem devagar, já que éramos duas duplas mistas. Apesar de levar o croqui acabei não utilizando, pois meu amigo Guilherme "Grilo" já havia feito a via há alguns anos atrás.

Adriana chegando no platô da P4

Fizemos uma escalada em ritmo cruzeiro (entende-se passeio) e nos divertimos bastante, aproveitando um belo dia de sol e temperatura amena.

Bernardo Biê e Guilherme Grilo no platô da P4

Destaque para Mariana Kujawski (Mari) que guiou a primeira enfiada esbanjando categoria e Adriana Moura que escalou rápido e precisa.

Bernardo Biê no diedro da via "Gilda Borges"

Chegamos ao cume um pouco atrasados de acordo com o planejado e inevitavelmente descemos a noite - diga-se de passagem estava alucinante com a lua praticamente cheia

Guilherme Grilo, Bernardo Biê, Adriana Moura e Mariana Kujawski no cume do Dedo de Deus, PNSO RJ

Depois de verificar o croqui da via vimos que não fizemos o trajeto correto. Na p4 fugimos para o lindo diedro da via "Gilda Borges" e na p8 pegamos o final da via "Leste" para agilizar e aproveitar o máximo de luz para começar o rapel.

Por Bernardo Biê

Fotos: Guilherme Grilo e Mariana Kujawski

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Alerta aos escaladores da Serra do Cipó


Aviso publicado no blog do Abrigo Cipó e que serve de alerta a todos os escaladores que pretendem escalar no setor do grupo 3 (G3).

"Atenção aos escaladores que pretendem escalar na Sala de Justiça !!! A via Inquilinos, 9a, está com um ninho de gavião na famosa "bruxa"... Vamos respeitar a reprodução dessa ave e deixar a via "de molho" até que o processo de reprodução se finalize. Lembramos que se for escalar as outras vias seria interessante não fazer muito barulho por lá!!!"
A natureza agradece !!!

Apoiamos o pedido e respeitamos a natureza, que nesse caso, é quem mais precisa de nosso respeito e ajuda.

Todos contam com a compreensão dos escaladores que pretendem visitar a região e têm a oportunidade de demonstrar a verdadeira consciência ecológica que tanto nos empenhamos (nós montanhistas) em disseminar.

Agradecemos também o trabalho de divulga
ção de fatos como esses!

Por Bernardo Biê

Fonte e foto: abrigocipo.blogspot.com




segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Diário de um escalador #1

Alguns curtos relatos sobre alguns dias de escaladas não registrados mecanicamente, mas devidamente impressos nas memórias de um escalador.

Nesse último fim de semana passamos mais uma vez na região do Parque Estadual dos Três Picos, mais conhecido como Salinas. Como a temporada desse ano têm sido propícia e satisfatória em relação as condições climáticas, aproveitamos para escalar ao máximo as grandes paredes da abençoada região serrana do Estado.

Chegamos na sexta a noite e já no sábado pela manhã escalamos a clássica via "Face Leste" no Pico Maior. Fomos em duas duplas - a maior parte da via em simultâneo - eu e Guilherme Moura, Daniel Fen e Hillo Santana. Em pouco menos de 3 horas alcançamos o cume e em mais 2 horas estávamos no chão. Um bom dia de escalada, clima perfeito e bastante gente escalando as montanhas.

No domingo levamos dois novos amigos para suas primeiras experiências nas montanhas, o primeiro contato com a pedra e a atmosfera da escalada. Escalamos a via "Sergio Jacob" no Capacete e os novos escaladores puderam sentir uma prévia do que os aguardam daqui pra frente. Enquanto isso, o trio formado pelos escaladores Hillo Santana, Daniel Fen e Guilherme Moura faziam a ascensão da via "Sólidas Ilusões", também no Capacete, descrevendo como uma das melhores escaladas que fizeram.

Retornamos para a cidade satisfeitos e com a certeza de que, pelo menos, a vontade de voltar deixarão nossas mentes conectadas com as montanhas tempo suficiente...até a próxima trip.

Por Bernardo Biê

terça-feira, 27 de julho de 2010

Semana em Tres Picos - Salinas, RJ

Durante a última semana passamos internados na região do Parque Estadual dos Três Picos, mais conhecida como Salinas.
Foram 8 dias de escalada no melhor estilo "aventura" onde o preparo, planejamento e muita disposição fazem a diferença.





Tiago Dias, Bernardo Paiva, Lucas Marques e Bruno Bretas no Refúgio das Águas

Pegamos uma carona com os escaladores Tiago Dias e Bruno Bretas chegando ao Refúgio das Águas na sexta (16/6) de noite. Devido a chuva e tempo ruim passamos a noite no conforto do Réfugio e logo na manhã seguinte eu e Lucas começamos a caminhada em direção ao Vale dos Deuses, onde depois de algumas horas caminhando com mochilas pesadas chegamos encharcados.



Bernardo e Lucas super motivados começando a caminhada para o Vale dos Deuses

Nossos amigos decidiram sabiamente por nao subir, ja que vieram apenas para o fim de semana e a chuva não parecia terminar.
No domingo chegaram Cláudia Farias e Diogo - âmbos escaladores de São Bento do Sapucaí - para unir as forças e passar a semana escalando na região.



Cláudia, Lucas e Diogo no camping

Passados os dois primeiros dias com chuva, finalmente o tempo abriu e as montanhas já apareciam para serem apreciadas. Em pouco tempo estava tudo seco e corremos para começar os trabalhos na via "CERJ". Localizada no Capacete, a via é uma das clássicas do local. Escalada variada, ideal para aclimatar com as escaladas nessa montanha.



Lucas na via "CERJ" localizada no Capacete

No dia seguinte caminhamos um pouco mais para escalar no Pontão do Pico Maior, fizemos a linda via "Sol Celeste" numa cordada de 3 escaladores, eu, Lucas e Diogo. Já pensando na escalada do dia seguinte, passamos na base da via "Decadence Avec Elegance" para deixar alguns equipamentos, assim facilitaria a aproximação na manhã seguinte. Passamos e repassamos o croqui da via, além de pegar alguns betas com o Diogo.



Lucas na 9ª enfiada da via "Decadence Avec Elegance" no Pico Maior

Saimos as 4h do acampamento e as 6h estávamos devidamente prontos para a ascensão. Durante 7 horas passamos escalando a incrível linha de 17 enfiadas que percorrem os 700 metros de rocha íngrime do Pico Maior - um dia muito bom de escalada.



Lucas na 10ª enfiada da via "Decadence Avec Elegance" no Pico Maior

Para finalizar a descida foi rápida e tudo saiu como esperávamos, entorno de 1 hora rapelando estávamos caminhando para o tortuoso e revigorante banho frio do final da tarde.



Lucas na 13ª enfiada da via "Decadence Avec Elegance" no Pico Maior

Já totalmente imersos na atmosfera mística do lugar voltamos nossos olhos para as diversas vias que estavam a nossa frente, no Capacete e Caixinha de Fósforo. Escalamos, novamente, em 3 escaladores as duas primeiras enfiadas da via "Fêmeas Efêmeras" na Caixa de Fósforo e sentimos o gostinho desse estilo peculiar de escalada - fenda de mãos perfeitas e técnica.



Diogo na 2ª enfiada da via "Fêmeas Efêmeras" na Caixa de Fósforos

No fim de semana as paredes ficaram bem frequentadas e outros amigos apareceram para cordadas no Capacete, foram em média 20 pessoas escalando a montanha. Nesse dia fizemos em duas duplas a via "Roberta Groba" no Capacete, eu e Cláudia, André "Godoffy" e Bruna Hirsch. No fim confraternizamos no cume com 7 amigos (Luiz Islu, Daniel Fen, Guilherme Grilo, Mônica Fillipini, Diogo, Rodrigo Braga e Joana) que escalaram a via ao lado, "El Kabong". Destaque para as mulheres que encheram de graça e leveza a parede nesse dia, foram pelo menos 8 meninas que fizeram o cume.



Bernardo Paiva, Guilherme Grilo, Daniel Fen, Luiz Islu e Claudia Farias no cume do Capacete

No noite do último dia resolvemos descer para o Refúgio das Águas para encontrar alguns amigos que precisavam de ajuda com mochilas, mas ao chegar descobrimos que haviam desistido de subir e estavam de partida para o Rio de Janeiro.



Ao nascer do sol o Pico Maior e Capacete vistos do Vale dos Deuses

Inconformados com a desistência de nossos amigos e, ao mesmo tempo, diante de uma indomável vontade de subir todas as pedras ao redor, aliado a isso uma incrível lua cheia prateada no céu, decidimos por volta das 20h que deveriamos fazer aquilo que mais queriamos estar fazendo em todos os momentos... escalar!



Anoitecer no Vale dos Deuses

Em poucos minutos subimos a trilha na disposição de quem acabava de acordar para a vida e lá estávamos arrumando nossas mochilas com destino ao Capacete para escalar a via "Sólidas Ilusões". Numa lua cheia impressionante, ventos fortes e frios faziam com que a rocha se tornasse totalmente aderente, quase sem precisar usar lanternas frontais fizemos uma das escaladas noturnas mais doidas que poderia imaginar, terminando a via as 1:30h da matina. Acessamos o cume comemorando como nunca a temporada de escaladas nos Três Picos. Fechando com chave de ouro a breve trip para esse lugar fora do tempo. Mais inspirados do que nunca para realizar o que realmente nos motiva: escalar sempre.



Por Bernardo Biê

Apoio: Edelweiss
Fotos: Bernardo Rubim, Tiago Dias e Mônica Filippini
Video: loucosdepreda.blogspot.com

segunda-feira, 28 de junho de 2010

"História sem fim" - Segunda Ascensão

No último sábado, 26 de junho, o escalador Lucas "Jah" completou a segunda ascensão da via "História sem fim" saindo do chão. Um resumo da história da via foi publicado anteriormente na ocasião da primeira ascensão integral e pode ser conferido aqui.

Depois de descobrir uma nova sequência para os movimentos iniciais, o escalador não encontrou dificuldades na parte superior da via, concluindo com segurança e solidez o crux final.

Em relação ao grau de dificuldade de toda a extensão da via, o escalador, ainda hesitante, prefere manter a proposta inicial sugerida por outros escaladores que tentaram a via anteriormente, mas em seus comentários deixa claro a incerteza.

"História do chão...8b?? continua o grau ou passa 8b+ facil? esperar prox ascen...
boldi irado!"

Ainda na semana passada o escalador Márcio Bertuci completou duas vias expressivas na mesma falésia: "Iziquizira", cotada em 8a+ (fr) ou 10a (br), e a via "História sem fim" saindo da segunda proteção (como é feito normalmente). Na ocasião o escalador não fez nenhum comentário acerca de graduação, mas parece que tentará a via do chão.

No dia 14 desse mês, recém chegado de Rodellar - Espanha, o escalador Thiago Antonelli concluiu a ascensão da via "Epitáfio das Ilusões" também no C.E.2000. Cotada em 8a (fr) ou 9c (br), a via é caracterizada por movimentos explosivos seguido de um dinâmico no último lance.

Os dias de inverno estão sendo bem proveitosos esse ano, diferente do inverno passado. Com o clima ameno e seco - aliado ao fanatismo e a motivação dos escaladores - as condições para a prática da escalada estão favorecendo as ascensões de vias exigentes e em breve teremos mais notícias de novos projetos sendo concluídos.

Fonte: 8a.nu

Por Bernardo Biê




domingo, 20 de junho de 2010

"La Olla" - Primeira Ascensão

Nesse último domingo o escalador de Niterói, Caio Gomes, concluiu a primeira ascensão do famoso projeto "La Olla".

Caio Gomes no boulder "La Olla"

Localizado na pracinha de Itacoatiara, com aproximadamente 7 metros de altura percorridos em 15 movimentos, o "La Olla" foi aberto pelo escalador Nando há 10 anos e desde então aguardava ascensão.

Caio descreve sua trajetória na conclusão do projeto e fala sobre graduação:

"O meu caso com "A Onda", começou em 2005. Os amigos Guilherme Quacchia e Diogo Fagundes me apresentaram o boulder. Achei muito dificil para trabalhar na época... Quanto ao grau, acredito que seja um V12."

Parabéns Caio por essa realização!

Para conferir toda a matéria com fotos acesse o blog do escalador.

Fonte: familiabuscapedra.blogspot.com
Foto: Pedro Gomes

Por Bernardo Biê

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Trip para Salinas - Três Picos

Esse último fim de semana estivemos hospedados no Refúgio das Águas (Sérgio Tartari) para conhecer a região dos Três Picos em Salinas.

O místico Pico Maior com seus 700 metros de preda

Chegamos por volta de 1h da manhã de sábado para acordar as 6h com o intuito de escalar a clássica via "Face Leste" (ou "Leste") no Pico Maior. Exatamente as 6h da matina eis que um pequeno sabiá bicava a janela do quarto como um despertador. Depois de pegar boas dicas com nossos companheiros, começamos a longa trilha numa hora considerada tarde e as 9:50h iniciamos a escalada.

Concluímos seus aproximados 700 metros as 14:50h, um tempo razoável, porém a maior dificuldade estava em acertar a via de rapel. Essa foi a parte em que contamos com um misto de "sorte" e "feeling", onde todas as dicas foram dando certo de alguma forma, já que no fim das contas descobrimos que não rapelamos pela via indicada. Além disso foi o tempo exato de chegar na base da montanha ao anoitecer e dar início a próxima etapa que consistia em achar a trilha de volta.

Daniel Araújo e Lucas "Jah" visualizando as vias do Pico Maior

Seguimos as dicas que nos foram dadas e no meio da escuridão e das nuvens encontramos lanternas. Eram escaladores que estavam descendo do Capacete (montanha que fica ao lado do Pico Maior). Encontramos com eles onde as trilhas se unem e descemos juntos.

O Pico Maior (dir) e o Capacete (esq) vistos do Vale dos Deuses

Depois de uma noite de sono merecida, acordamos tarde no domingo e com calma nos preparamos para escalar a via "Roberta Groba" no Capacete. Fomos em 6 escaladores para fazer vias próximas uma das outras com o intuito de encontrarmos no cume e descer todos juntos. Dessa vez ficamos bem atentos na trilha e maravilhados com o visual do Vale dos Deuses - que dá acesso a maioria das vias do Capacete.

Os escaladores Daniel Araújo, Bernardo e Lucas no Vale dos Deuses, analisando as vias do Capacete

Mais uma vez chegamos tarde na base da via e para encontrar os outros escaladores tínhamos que escalar rápido, já que éramos os únicos que não conheciam o local nem a escalada que iríamos fazer. Mas não foi o que aconteceu, pelo menos nas primeiras enfiadas. Comecei guiando, sentindo o cansaço do dia anterior não consegui encaixar o ritmo que precisávamos nas 4 primeiras enfiadas e isso nos atrasou um pouco, mas meu parceiro de cordada acelerou e deu tudo certo. Encontramos todos no cume e ainda curtimos a incrível energia do lugar antes de começar o rapel. Chegamos a noite no refúgio, depois daquele rango esperto voltamos para a babilónia cansados mais energizados com os ares da serra.



As impressões foram as melhores possíveis, desde o refúgio até todos os outros elementos que compõe a escalada no local. Principalmente o magnetismo das imponentes montanhas que brilham aos olhos dos escaladores. Assim que tiver outras oportunidades estaremos de volta com muita vontade de subir preda.

Nossos agradecimentos aos escaladores que tornaram possível essa rápida visita, além das dicas e apresentação do lugar: Bernardo, Daniel Araújo e Neto. Valeu Galera!


Fotos: Bernardo Biê
Vídeo: Loucos de Preda



Por Bernardo Biê

domingo, 9 de maio de 2010

Área de boulder em Sabará - MG

A galera do projeto FalesiasdoRio esteve de passagem pelos incríveis blocos de Sabará, Minas Gerais, e fizeram um excelente vídeo de alguns dos boulders clássicos do local. Vale a pena conferir!

SABARÁ [HD] [en] from Ricardo Cosme on Vimeo.

sábado, 24 de abril de 2010

Crux com Filezão - Barrinha, RJ

Mais uma ascensão da via "Crux com Filezão", localizada na Barrinha, Rio de Janeiro. Dessa vez o escalador Caio "Granola" Tombini foi o protagonista, tendo sido essa sua primeira via nesse patamar de dificuldade.

Caio "Granola" Tombini na via "Crux com Filezão" - Barrinha, RJ

Domingo passado o escalador concluiu os 30 metros de extensão da via que constitui na união das clássicas "Crux com certeza" e "Filezão". Sendo caracterizada por uma seqüencia de pura resistência seguida de bons descansos.

Caio "Granola" Tombini no crux da via "Crux com Filezão" - Barrinha, RJ

Fato curioso é que a via foi e ainda é o primeiro 8a+ (fr) ou 10a (br) de muitos escaladores, como nos casos de André "Godoffy" Martins e Juliano Magalhães, tendo uma certa polêmica entorno da cotação.


video
Vídeo do escalador Rodrigo "Risada" na via "Crux com Filezão"


Fonte: 8a.nu
Vídeo: escaladabrasil.com
Fotos: Bernardo Bi
ê

Por Bernardo Biê

terça-feira, 13 de abril de 2010

Algumas consequências do dilúvio na escalada carioca

Depois que passou o pior, algumas marcas do dilúvio já podem ser percebidas na escalada carioca. Uma delas foi o deslizamento que tombou um clássico bloco da Reserva Florestal do Grajaú - famosa pelos seu inúmeros e abrasivos blocos de pedra. Com pelo menos 5 problemas consagrados, o bloco do Legalize se diferenciava pela textura, formato e ângulação das agarras.

No círculo vermelho agarras de um dos problemas do bloco e no azul a agarra do crux da linha "Tava na cara e ninguém viu"

Segundo o escalador local Gabriel, o bloco havia "rolado" impossibilitando a escalada de algumas linhas, dentre elas o famoso problema "Tava na cara e ninguém viu". Aproveitamos que o setor onde se localiza o bloco estava em nosso caminho fomos la conferir a real situação. Infelizmente a informação era legítima, o bloco não havia rolado como pensávamos mas tombado. De qualquer maneira a linha mais maneira do Grajaú (na minha opinião e na opinião de muitos escaladores) já não poderia mais ser escalada. Porém as demais linhas que se localizam na parte menos negativa ainda existem e, pelo que parece, ainda podem ser escaladas.

No círculo verde a segunda agarra da linha "Tava na cara e ninguém viu" e no amarelo a agarra do crux




Vídeo do escalador local Gabriel no problema "Tava na cara e ninguém viu" - Reserva do Grajaú, RJ.

Aproveitando a proximidade da Temporada de Montanhismo e Escalada no Estado - época do ano propícia para a prática dessas atividades devido ao clima seco e fresco - fomos subir uma das clássicas vias do "Perdidos no Andaraí". A imponente montanha, assim como os diversos boulders, fica localizada na Reserva do Grajaú e apesar de menos frequentada (em relação aos blocos) é tão clássica quanto.

André Godoffy na via "Dança do Sol" - Perdidos do Andaraí

Sempre que fui a Reserva foi para a prática de bouldering, mas todas as vezes senti muita atração pela montanha que forma uma bela paisagem ao fundo. Com o clima ideal e a botinha de parede afiada fui realizar essa vontade. Partimos em duas duplas sendo eu e Adriana para a clássica via "DGM" (também conhecida como "Pepe legal") e os escaladores André Godoffy e Daniel Fen para a via "Dança do Sol".

Daniel Fen no detalhe guiando uma das enfiadas da via "Dança do Sol" - Perdido do Andaraí

A via "DGM" e uma daquelas que se sugere para qualquer um que queira fazer a cabeça numa escaladinha de dificuldade leve e de certa forma extensa. Pelas características específicas e estéticas pode ser comparada a via "Italianos com Secundo" - outro clássico da cidade, se não a mais clássica - localizada em outra montanha, o Pão de Açúcar. Foram 3h de escalada com direito a chuva repentina, mas no final o sol manteve-se entre nuvens proporcionado um clima ameno e agradável.

Adriana participando no terceiro esticão da via "DGM" - Perdidos no Andaraí

Voltando ao título do post algumas áreas da cidade ainda estão fechadas - como o Parque Nacional da Tijuca e arredores - impedindo a visitação de civis. Ontem fui dar um confere na falésia da Barrinha e para minha surpresa (devido a fragilidade do local) estava tudo perfeitamente em ordem, apesar de algumas árvores caídas e pequenos deslizamentos em torno da trilha de acesso. Pelo que foi divulgado na mídia foram aproximadamente 283 pontos de deslizamento de terra somente no PNT, e pelo visto as autoridades responsáveis terão muito trabalho pela frente. Com isso teremos restrições de acesso em várias áreas de escalada até que a situação se normalize. Houveram rumores de que a chuva também afetou algumas áreas acerca da Pista Cláudio Coutinho, na Urca, inclusive alguns blocos também sofreram deslizamento, mas ainda não há nada oficial. Estive também na falésia do "Platô da Lagoa", próxima a Lagoa Rodrigo de Freitas, e o panorama era assustador. Duas grande crateras ocorridas pelo deslizamento de terra chegavam a ameaçar a base da falésia.

Adriana no cume depois de completar a via "DGM" - Perdidos no Andaraí

Assim que souber de mais notícias sobre as condições dos picos de escalada aqui no Estado passarei adiante.

EDITADO EM: 14 abril, 14:30h.

Enviado pelo Louco de Preda Thiago Antonelli, que esteve na falésia do "Platô da Lagoa" e registrou as "sequelas" deixadas pela chuva que atingiu o Estado do Rio de Janeiro, como comentado acima.

Deslizamento de terra na trilha de acesso a falésia do "Platô da Lagoa" - Lagoa Rodrigo de Freitas, RJ


Os escaladores Bernardo Biê e Inácio Xavier tentando acessar a base da falésia do "Platô da Lagoa" - Lagoa Rodrigo de Freitas, RJ.


Fotos: Bernardo Biê, Danie Fen e Thiago Antonelli


Por Bernardo Biê

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Trip para Gruta da 3ª Légua e arredores

Nesse último feriado que foi comemorado a Ressurreição de Cristo - mas conhecido como Semana Santa ou Páscoa - aproveitamos a folga para uma breve visita a picos localizados na região da Serra Gaúcha.

O grupo foi formado pelos fanáticos; Thiago Antonelli, Rafael Weksler e Bernardo "Biê". Recentemente de volta ao país depois de longo período morando na Espanha, tivemos como "guia" o louco de preda Caio "Granola", que foi quem nos apresentou os melhores lugares da região.

Em apenas 3 dias e algumas horas, pudemos conhecer lugares incríveis como: Gruta da 3ª Légua, Cotiporã e Salto Ventoso.

Gruta da 3ª Légua

Thiago Antonelli na via "O Herege"

Já tinha visto imagens do lugar, mas mesmo assim não sabia o que esperar. Ficamos todos excitados com o que encontramos, imediatamente começamos a escalar freneticamente desde que chegamos (16h) até o anoitecer. Como não havia muito tempo para adaptação, fomos direto ao que interessava e depois de aquecer em vias menos difíceis resolvemos provar alguma via que passasse pelo incrível teto que caracteriza a escalada no local. O resultado foi que esmerilhamos logo de cara.

Rafael Weksler na via "Apocalipse"

No dia seguinte - apesar de estarmos todos doloridos devido a esmirilhação do dia anterior - foi possível escalar o dia inteiro, e ai sim, sentimos o "peso" do corpo pendurado no tetão. Ai a diversão começou e se estendeu até a escuridão do cair da noite. Depois de muito fazer força e dar boas risadas com as pérolas que nosso amigo Rafael "Bebezão" Weksler (Bebezão para os íntimos) soltava entre uma tentativa e outra, além de fazer novas amizades com os escaladores locais, nossa primeira visita a Gruta chegava ao fim.

Cotiporã

Bernardo "Biê" na via "Eclipse"

No dia seguinte o plano era partir para Cotiporã, lugar relativamente "novo". Foi possível perceber isso logo nas primeiras vias que entramos, pois estavam praticamente desmontando. O lugar é muito bonito, mas ainda conta com poucas vias prontas para serem escaladas, sendo as que entramos muito boas. Apesar disso vale muito a visita, principalmente por ser menos frequentado e mais tranquilo. Tivemos alguns passatempos um tanto conturbados, como ter trancado a chave do carro dentro e esquecido costura na penúltima proteção de uma das vias que equipamos, mas no final deu tudo certo e pudemos comemorar com um jantar tipicamente Italiano, preparado por descedentes locais.

Salto Ventoso

Panorama do setor principal

Último dia de trip tivemos uma divisão na equipe, Thiago Antonelli e Rafael Weksler resolveram voltar para o RJ e a outra dupla seguiu com o planejado. Partimos eu e Caio para Salto Ventoso pela manhã. Depois de ficarmos perdidos por algum tempo finalmente chegamos no pico ao meio dia. Particularmente foi o lugar mais psicodélico que já conheci no Brasil, apesar de conhecer quase nada dos vastos limites Tupiniquins, fiquei encantado com a atmosfera e a energia do lugar, sem contar o visual. Escalamos numa profunda egrégora de paz e como estávamos em dupla, pudemos escalar bastante em pouco tempo.

De lá voltamos para Porto Alegre onde voaria até o Rio de Janeiro na manhã seguinte. Sem saber o que havia acontecido na Cidade Maravilhosa, de alguma forma cheguei em casa são, salvo e seco.

Queria agradecer os escaladores locais que nos receberam com muita humildade e afeição, passando muita positividade a cada tentativa da galera nas vias, além dos betas precisos!

Grande abraço a todos e boas escaladas sempre!

Fotos: Bernardo "Biê", Thiago Antonelli, Rafael Weksler e Caio "Granola".


Por Bernardo Biê

sexta-feira, 19 de março de 2010

"Transamazônica sem fim".

Em conversa com Lucas depois da primeira ascensão da via "Transamazônica sem fim", o escalador comenta um pouco acerca da via, de seus projetos futuros e da escalada esportiva nacional.


Transamazônica Sem Fim, 11a from Pedro Stabile on Vimeo.




Tudo surgiu quando começamos a mandar as mais difíceis e assim sobrando somente coisa muito difícil como "coquetel" , "carta na manga" e outras... Assim, como de costume todas as pessoas que mandam a "História sem fim" passam para o "coquetel" e eu não queria cair no "mesmismo" e assim começei a procurar algum projeto que me motivasse a ponto de realmente "entrar numa" e concluir tal novidade... Provei varias vias , realizamos a grampeação de um link incrível que é o "Fim da ziquizira sem fim" mas oque mais me chamou a atenção foi o link da "Transamazônica" com o "História". A via é totalmente meu estilo, resistência, longa e com passadas muito interessantes. A via na verdade é uma travessia que percorre quase toda a falésia... sobe, desce,sobe novamente... uma viajem... muito motivante!!!

A via começa com um "7b+ Ponte aérea" , a verdade absoluta é que apartir dai sim começa a via... A primeira parte são reglets bons e agarras grandes, depois um descanso bom e apartir dai começa o ritmo real da via; entrando no "Migalhas" os reglets diminuem e passa-se pelo crux (a mesa) finalizando em uma agarra boa, até ai o "8a Transamazônica". Antes eu tambem achava até esta parte 8a+ mas é 8a mesmo...Depois vem o "novo" ,o link entre as vias que é uma desescalada para a esquerda que começa com agarras médias , 5 movimentos medios de força e depois o crux com 3 movimentos e mais 4 até o começo do "história ",depois um descanso mas não tão bom. Com invertidas, reglets e um abaolado a parte que necessita mais disposição se demonstra dura na cadena, a sequência do fim do "historia". O fim desta parte são apenas agarras grandes mas que derrubam na sequência. Caí uma vez a 3 agarras do fim da via por não conseguir segurar nada...de perder o tato.

O processo foi longo pois não haviam movimentos concretos no link e tivemos de batalhar muito até que veio o Moleza do Sul e mostrou outra maneira de fazer , mais fácil, porém um pouco instável pois se segura um batente meio sem pega...E fui com calma pegando o tempo da via, sequência e velocidade. Não sabia aonde descansar bem para ter a força de executar o crux. Não havia outras pessoas tentando e foi dificil encaixar tudo. Um verdadeiro quebra-cabeças... Tempo , força, velocidade e ritmo.


As condições não foram as melhores. Dei a entrada às 6 da tarde e ainda assim não estava bom.Condições psicológicas eu tinha se falando em como iria equipar e costurar, não é uma seqüência convencional de proteção, pula-se muitas e quase todas são longas. Encarei isso da melhor maneira mas nunca tinha feito um via assim, com essa extensão e dificuldade.

Graduei a mesma em 8C por comparar com a "Mr.Bill e Massa crítica" e outras mais...por serem longas . Também vale lembrar que a parede do projeto é negativa, necessitando uma força que nunca tive em toda minha história de escalada. O esquema de proteções utilizadas e tamanhos influenciaram muito também; a "paz nos mundos" e esta so foram possíveis graças ao estilo de proteção
.

Acho também que um clima de temporada pode fazer com que a via sofra uma possível diminuição do grau para 8b+ ou menos. Acho tudo possível e não tenho a intenção de defender este grau, é apenas uma proposta sem ter experiência em 8Cs...

O Campo Escola 2000 é um local futurista e tem muito a ensinar a todos, por isso tem o nome que tem, rs... Incrível !!!!!!!...São movimentos misturados com a negatividade do local e resistência. Provavelmente exista outras vias de 8c ou mais por lá...As gerações futuras terão outros parâmetros e exemplos de dificuldade.


Sobre treinos ,comecei a duas semanas um treino com peso de 2 kgs e foi bom, meio chato mais tudo bem...tenho um muro em casa a uns 7 meses. Acho que ter força é importante mas não significa nada.

Curso Arquitetura e Urbanismo e neste ano faço meu projeto de Conclusão. Quero me dedicar a faculdade para me formar bem. Na escalada quero me dedicar a alguns projetos de parede como a "Conciência Negra" no pico dos 4, abrir vias em algumas áreas novas e fluindo vou me dedicando aos poucos para deixar algo de bom para o Rio de Janeiro. Vivo aqui a pouco tempo mas me considero como se vivesse aqui por muitos e anos...depois devo viajar pelo Brasil à procura de algo muito especial no ano de 2011/12.

Sobre a vida...Depois que conheci a escalada minha vida mudou e pude perceber várias coisas que não poderia perceber antes. Uma viajem muito pessoal. Quero dizer tambem que escalada liberta e alimenta. Seria impossível descrever em palavras o que a escalada significa em minha vida...Bons ventos a todos e VENGABICHO!!!!!!





segunda-feira, 15 de março de 2010

É o fim do projeto "Transamazônica sem fim"

Nesse último domingo o escalador Lucas "Jah" concluiu a primeira ascensão do projeto "Transamazônica sem fim", na qual sugeriu 8c (fr) ou 11a (br) para os mais de 100 movimentos em travessia linkando as vias "Transamazônica" e "História sem fim".

Depois de analisar o nível de dificuldade e exigência da via, Lucas "Jah" chegou a conclusão de que outro projeto recém encadenado por ele também pode ter a mesma cotação, trata-se da via "Paz nos mundos com certeza" na qual o escalador pareceu em dúvida quanto a possibilidade mas agora confirma como 8c (fr) ou 11a (br), sendo portanto sua segunda ascensão nesse patamar de graduação.

Apesar de tudo, Lucas deixa claro que se trata de uma sugestão baseada em suas últimas ascensões em vias no patamar de 8b+ (fr) ou 10c (br) como: "Massa Crítica" e "Mr. Bill", ambas localizadas na Barrinha, RJ.

Em breve será postado uma entrevista com o escalador acerca da primeira ascensão desse projeto, além das expectativas para a temporada 2010.


Por Bernardo Biê


terça-feira, 2 de março de 2010

1 ano de Loucos de Preda

Passou desapercebido!

Dia 10 de fevereiro fez 1 ano que o blog está no ar e com isso cumpriu o objetivo inicial.

Como deu pra notar, o ritmo de postagens diminui nos últimos meses. Isso devido a outros projetos que se desenrolam paralelamente e a outros fatores, digamos, pessoais.

Inicialmente o intuito era descrever os passatempos do grupo de amigos escaladores que praticam juntos há bons anos e sempre estão envolvidos em alguma aventura pelas montanhas, porém como pode-se notar nas "assinaturas" das postagens, estive quase em solo todo esse tempo.

Tem ficado difícil manter atualizado não apenas por falta de tempo e conteúdo especifico, mas por redirecionamento de energias também.

Então como terei que tocar outros projetos com mais afinco, ficará a cargo de outros "loucos de preda" a manutenção do blog. Devido a isso podemos considerar que chegamos a um platô para o bivaque, mas ainda mantendo o cume como objetivo.

No mais, boas escaladas a todos!


Por Bernardo Biê

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Vias extremas - Mulheres

Notavelmente as escaladoras brasileiras estão em constante evolução ao que diz respeito a vias esportivas extremas, isso se confirma com a recente ascensão da via "Religare" cotada originalmente em 8a+ (fr) ou 10a (br), feito realizado pela escaladora carioca Raquel Guilhon, que parece estar em plena forma para a temporada 2010.

Raquel Guilhon no boulder inicial da via "Religare" - Foto: Ricardo Cosme

Com o feito, Raquel se torna a segunda mulher a escalar uma via nesse patamar de graduação, já que em 2006 a escaladora carioca Luciana Di Franco concluía a variante "Crux com Filezão" na Barrinha, tornando-se a primeira mulher a quebrar a barreira do décimo grau no País.

Luciana Di Franco no crux da via "Crux com Filezão" - Foto: Pedro Stabile

Raquel foi também a primeira (até onde se sabe) e a única ascensão feminina das vias "Migalhas Indecentes" (C.E.2000, Rio de Janeiro) e "Lula Lélé" (Caverna dos Primatas, Rio de Janeiro) - ambas caracterizadas como vias que exigem força - além de diversas outras vias fortes no currículo.

Para não cometer nenhuma injustiça ainda poderiam ser citados outros nomes de fortes escaladoras que figuram como referência no Pais, a lista é extensa.

Pelo andar da carruagem, ainda teremos muitas outras notícias como essa durante a temporada desse ano.


Parabéns Raquel pela realização!



Por Bernardo Biê

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Flashback - Biographie

Uma sugestão interessante para motivar antes de um dia de escalada esportiva.

Dessa vez, o protagonista é o escalador basco Patxi Usobiaga, que apesar de ter concluído a ascensão dessa incrível linha no ano de 2004 (aberta por Jean-Christophe Lafaille em 1989 e posteriormente estendida por Arnaud Petit em 1996.) o vídeo só foi disponibilizado recentemente na internet.

Apesar de ser nitidamente editado, da pra ter noção de como a via é duríssima. O vídeo ainda conta com remix de musica brasileira, tendo sido editado pelo próprio escalador - conforme descrito nas informações - ao que parece ter sido escolha de Patxi.

Patxi Usobiaga climbing Biographie 9a+ from patxi usobiaga on Vimeo.



Fonte: Wikipedia
Vídeo: Vimeo by Patxi Usobiaga




Por Bernardo Biê

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

E mais ascensão no Rio 40°

Mais uma vez, a falésia da Barrinha é a salvação para os escaladores que gostam de praticar a escalada esportiva e para aqueles que apenas querem fugir do calor insuportável que atinge a cidade chegando a mais de 40° hoje. Com forte rajadas de vento e sombra praticamente o dia todo, a Barrinha tem sido a opção escolhida pela maioria dos escaladores para esse verão. A dica é chegar no meio da tarde e se refrescar na pequena cachoeira (agora parece mais uma bica) conhecida como "cachoeira da Pedra da Gávea", aguardar o fim de tarde e começar a escalar por volta das 17h, como têm sido feito pelos escaladores da região. Quem dá a dica é o escalador carioca Márcio Bertuci - o Marcinho - que a minutos atrás acaba de conseguir a ascensão da via "Mister Bill", um dos clássicos da falésia.

Uma via bem específica de movimentos explosivos em regletes pequenos e machuquentos com descansos tensos em agarras invertidas, lance dinâmico e um final de continuidade em agarras ainda ruins. A "Bill", como é conhecida, foi o primeiro 8b+ (fr) ou 10c (br) aberto na falésia, que ainda conta com mais duas vias nesse patamar de graduação - "Massa Crítica" e "Guerra dos Mundos" - todos considerados limiar entre 8b+ e 8c (10c e 11a), sendo a falésia que concentra o maior número de vias de décimo grau no País num total de 8 até o momento (sem contar variações e extensões - o que daria mais de 10).

Marcinho acaba de enviar a notícia por SMS, sabendo que todos os amigos estavam torcendo para que isso acontecesse, já que esse era seu projeto no momento. Com a ascensão da via, o escalador é mais um do seleto grupo que está prestes a concluir todas as vias do local.

Pelo que tudo indica, ainda teremos mais notícias de ascensões como essa até o começo oficial da temporada de escalada do ano de 2010.

Parabéns ao escalador pela merecida conquista e que essa seja a porta aberta para muitas outras realizações.

Grande abraço e boas escaladas.


Por Bernardo Biê

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

In Saeng - The Life - A vida

O nome já diz tudo, principalmente para escaladores. Conceito muito maneiro, vale a pena assistir!

Sinopse:

In Saeng

Realização: Jun Ki-Kim
Animação, 10 min.
Um totem é escalado por uma verdadeira linhagem familiar. Uma metáfora sobre a sucessão da vida.




Fonte: Ponto de Cultura Vila Buarque


Por Bernardo Biê

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Ascensões no Rio 40º

Mesmo com pouco tempo e ainda com as imagens capturadas no reveillon sendo trabalhadas, além é claro de outros compromissos extra escalada, arruma-se tempo para uma escaladinha ali outra aqui.

Panorama de parte da Barrinha

Na última sexta-feira, dia 29/01, consegui a ascensão da via "Vaca Louca" localizada na falésia da Barrinha, RJ. A via saiu as 20h depois de ter caído algumas vezes nos últimos movimentos, tendo como maior dificuldade me manter motivado o suficiente para voltar a escalar os quase 30 metros de pura continuidade diante do calor infernal que faz na cidade.

Bernardo "Biê" escalando na Barrinha - RJ

Ontem, também já tarde da noite - por volta das 19h - o escalador Lucas "Jah" concluiu com certa facilidade (na terceira tentativa) a ascensão da via "Barra Pesada", localizada na mesma falésia. Depois de acertar um beta no primeiro crux , "Jah" passou batido por toda extensão da via.

Lucas "Jah" escalando na Barrinha - RJ

Com a forte onda de calor e o desconforto gerado pela alta umidade no ar, restam poucas opções para escalar na cidade. As melhores têm sido as falésias da Barrinha, Primatas e Asa Delta. No caso de paredes a boa é começar a escalar bem cedo, assim evita-se "fritar" nas horas mais quentes do dia. Mesmo assim anda difícil de encontrar condições favoráveis (confortáveis então nem se fala!) para a prática da escalada.


Abraço e boas escaladas a todos



Fotos: Pedro Stabile e Joana Carvalho
.



Por Bernardo Biê